Crónica do grande Baile Assalto feito por Raquel Miragaia e Luzinha

Grande sucesso

Pois assim foi, um autêntico êxito este primeiro grande baile assalto na Gentalha do Pichel.

Um numeroso grupo de pessoas com vontade de dançar, anotar no seu cartom de baile as pretendentes, escutar boa música e desfrutar, deu-se cita este sábado 4 de março no local que a Gentalha do Pichel tem em Santiago de Compostela.

O baile foi organizado em parceria polo Conservatório Folque de Lalim, como fim de festa do monográfico de danças europeias, e a Gentalha do Pichel.

E o clube de fans de Marful, na sua vontade de seguir (que nom perseguir) aos membros do grupo, lá estava, para escuitar ao Pedro Pascual, bem acompanhado polo violinista Quim Farinha, que aqui vedes em plena actuaçom:

Mas nom foram os únicos, a também acordeonista portuguesa Celina da Piedade pujo música ao baile, enquanto a professora de dança Mercedes Prieto animava às já de por si animadas assistentes. Já para acabar a festa, tocaram também Óscar Sanjurjo (Cempés) e Carlos Quintá (Linho do Cuco).

E para que vejades que nom mentimos, aqui tedes um exemplo de como estava o local de cheinho e os cartons de baile de completos.

(Devemos todas as imagens a Luzinha)

Los músicos gallegos que conquistaron América

Los músicos gallegos que conquistaron América, por Angel Varela.
La voz de Galicia.
04/11/2005.

Víctor soliño, autor de tangos como «garufa», o manuel dopazo, gaiteiro emigrado en buenos aires que llegó a actuar ante el papa, fueron algunos de los grandes artistas gallegos del nuevo continente.

máis en texto extendido…
Continue reading Los músicos gallegos que conquistaron América

Marful, sem disco mas com clube de fans, uma história do revés.

O fenómeno fan é uma característica da cultura de massas que começa provavelmente com esse estandarte do fenómeno que foi Elvis Presley. Daquele momento em que um cantante de rock foi capaz de mobilizar a juventude como quase nada o tinha feito até o momento, todo um mundo de novos mitos e ídolos foi-se criando ao redor dos artistas musicais. Mas com o tempo, nom só no cenário musical existiu o conceito de seguidores ou admiradores. Artistas de cinema, desportistas -nomeadamente futebolistas-, artistas plásticas ou literárias… qualquer personagem público pode ser alvo desta admiraçom organizada.


Continue reading Marful, sem disco mas com clube de fans, uma história do revés.

Un conservatoire innovant !

Lalin, Galice
Un conservatoire innovant !

Le Conservatoire de Musique traditionnelle et Folk (CMTF) de Galice a ouvert ses portes en 2000, à Lalin, ville située a une cinquantaine de kilomètres à l’Est de St Jacques de Compostelle. Uxia Pedreira assure la direction de cette école de musique un peu spéciale, depuis 5 ans maintenant. Elle répond à nos questions entre 2 cours et un enregistrement en studio. En effet, Uxia est également auteur, compositeur, interprète.


Continue reading Un conservatoire innovant !

Postura do CMTF na implantación da Banda de Gaitas da Deputación no Deza

O claustro da As. do Conservatorio de Música Tradicional e Folque de Lalín reunido co fin de avaliar o subsidio concedido pola Deputación Provincial de Pontevedra á Asociación de Bandas de Gaitas manifesta:

1.- Que a nosa postura contraria a dito subsidio, non pon en dúbida a profesionalidade das persoas perceptoras das mesmas.

2.- Que no concello de Lalín hai unha ampla oferta educativa en materia musical con a Escola da Banda, o Conservatorio Oficial, o Conservatorio Folque e a Escola Folque Infantil (proxeto novo en Galiza e unha aposta firme polo ensino da música popular) sostida integramente polos pais-mais do alumnado.

3.- Que en cuestión de música tradicional e concretamente en clases de gaita e percusión, o conservatorio Folque e a Escola Folque Infantil imparten un ensino cun proxecto curricular e uns principios pedagóxicos que pode ser consultados no centro. Este proxecto curricular foi deseñado despois de 5 anos de docencia cando en Galiza non existia-nen existe proxecto curricular para tal música nun centro coma o noso.

4.- Que o persoal contratado polo Conservatorio Folque ten unha dilatada experiencia profesional, cun currículo extenso tanto no ensino como nas súas respectivas carreiras profesionais. Que apostaron e apostamos polo proxecto e sobre 11 persoas teñen o 70% dos seus recursos nel, e temos tamén a potencialidade de abrir camiños e postos de traballo para o alumnado que queira profesionalizarse.

5.- Que desconfiamos dos proxectos consistentes en desembolsar grandes cantidades de diñeiro sen unha planificación a longo prazo, cunha política que apoia os proxectos realizados en función mais do oportunismo político e pre-electoral que de verdadeiro interese cultural.

Por todo isto consideramos absolutamente necesario que os responsables da deputación teñan en conta os proxectos xa en marcha, procuren o consello e o consenso dos profesionais que como o Conservatorio Folque levamos anos de experiencia docente e artística e que entendan que as axudas económicas deben servir para un fortalecemento do tecido educativo existente e non para seguir a criar fisuras e frontes a cada volta máis irreconciliables.

En Lalín a 7 de Maio.

Equipo docente e de producción da As. do Conservatorio de Música Tradicional e Folque e da Escola Folque Infantil.

O verbo dos xingreiros. A gíria dos músicos

Uma das gírias gremiais mais desconhecidas da Galiza é a que falavam os músicos da Terra de Cela Nova (o verbo dos xingreiros que tocan os xingros para fazer a xingra)

caramolar- cantar
laio- diñeiro
aguilhado- clarinete
abunda maralha de granjo- hà muita gente
quilhar- copular
escorbar- escuitar
saltantas- mamas
muquir- comer
calmar á muquideira- beijar
coime de chumar- taberna
coime de sornar- pousada
coime dos estafados- cemitério

É um artigo de Jorge Rodrigues Gomes que forma parte da sua tese de doutoramento “Estudo comparativo da formaçom de gírias gremiais galegas e castellanas” dirigida pola doutora M. do Carmo Henríquez.

REVISTA AGALIA. nº 79-80/2º semestre (2004)
“Três criptolectos gremiais galegos: o verbo dos xingreiros, a lafrada e o baralhete dos granhudos” Jorge Rodrigues.

Uma outra cançom de Ugia Pedreira para a Matraca Perversa

Ugia Pedreira e Martázul (alumna de canto, ajudante de producçom do CMTF e mestra de francês) registrarom em Vigo uma outra cançom-colaboraçom com o grupo estradense A Matraca Perversa.

Uma letra para viajar polos passeios marítimos desde a Guarda a Quimper, meter o mar numa garrafa e logo tira-lo polo fregadeiro.

www.matracaperversa.com

Continue reading Uma outra cançom de Ugia Pedreira para a Matraca Perversa

Julio Prada. 1923 – 2004

Faleceu no dia 31 de Dezembro o notável gaiteiro sanabrês Julio Prada, um dos últimos gaiteiros mais expressivos da tradição musical das regiões espanholas de Sanabria e Zamora (fronteiriças com Trás-os-Montes). Era um gaiteiro carismático e reconhecido internacionalmente pelo conhecimento que detinha do extenso repertório de músicas tradicionais e sobretudo, pela espontaneidade e pela criatividade das suas composições, sempre inspiradas nas músicas tradicionais de Castela-Leão e que chegaram a ser tocadas por Sakamoto, Bagad Kemper, Radio Tarifa e La Musgaña.

As nossas recordaçons desde o CMTF de Lalim.
Continue reading Julio Prada. 1923 – 2004

Viagem a Águeda. The Mission.

Os irmanamentos estão bem, para quem os entender. E lá fomos cara a vila de Águeda a irmanarmo-nos. Portugal não é só Lisboa. Cinco mosqueteiras que o masculino era minoria, com o seu Dartagnam directora à frente, chegamos quase sem querer directamente à associação D’orfeu. Águeda. A associação cultural estava lá num quintal velho ao fundo dum passeio cheio de paralelepípedos brancos e grises. O director agachado trás um Macintosh branco de cola abriu-nos as portas e deixou-nos via para também abrir a sala de computadores, salas onde se aprende música, paredes muito contemporâneas cheias de fotos, tudo arrodeado por gabinetes cheios de gestão compulsiva. Um quintal em cultura da reciclagem.
Continue reading Viagem a Águeda. The Mission.

Possível interpretação da nomenclatura de Pintos sobre a sanfona

Os termos referentes as diversas partes da sanfona não vêm acompanhadas das respectivas definições. Num intento de criar a polémica necessária que nos leve ao conhecimento do significado real de cada item proponho as que seguem, fruto mais da intuição que de qualquer método científico.

Convido-vos a que participeis com as vossas sugestões.
Continue reading Possível interpretação da nomenclatura de Pintos sobre a sanfona